terça-feira, 16 de abril de 2013

Alguém aperta o START?

Pare tudo o que está fazendo e se imagine como uma criança. Não precisa ser você, pode ser uma criança bonita, daquelas da televisão que dançam e cantam... Não as que cantam como adulto, pois isso me dá um pouco de
arrepio e acho que elas não se encaixariam nesse contexto. Enfim, agora que já pensou no personagem, imagine o pirralho surtando de felicidade por ter ganho seu primeiro vídeo game, e nem estou falando do mais moderno e interplanetário vídeo game, me refiro ao modelo mais pobrinho, mais 2D, mais preto e branco mesmo. E aí você vai passar horas da sua vida na frente da tela, enfrentando monstros, colecionando vidas, recordes, vai salvar princesinhas tolas até... FIM. O jogo acaba. Hora de novos desafios.

Bem, essa criança pode ser de mentira, pode ser eu, tu, ele, nós, vós e eles e esse vídeo game louco é a vida. Pelo menos a minha, já que o blog é meu... Afinal não faria sentido eu comentar sobre a vida de outras pessoas, apesar de gostar de fofoca e... Voltemos ao foco.

De certo modo jamais esquecerei a minha reação quando consegui vencer sozinho meu primeiro jogo de vídeo game, mesmo porque foi a mesma reação utilizada quando me formei no colégio. Conseguia ver os créditos subindo enquanto jogava aquele cafona chapéu quadrado para o alto (jamais o encontrei novamente). Prometi que demoraria para entrar num jogo novamente, porém um mês depois lá estava eu na fase do pré-vestibular, tão chato, tão cansativo, só deixou de ser uma perda de tempo quando aprendi a matar as aulas e foi por essa razão que não consegui passar no vestibular. Não lamento por isso, mesmo porque não sei o que tinha na cabeça quando cogitei a ideia de fazer odontologia, além de ter horror a sangue e agulha, eu morava no Paraná, a terra do "pé-vermelho"e tenho certeza que não seria como aqueles impecáveis dentistas elegantes e de branco brilhante Omo.

O tempo passou, me casei com o teatro e só depois de muito tempo voltei a jogar vídeo game. A faculdade de letras não era tão interessante como eu imaginava, logo no segundo período eu já queria apertar o Reset, aguentei até um certo tempo, mas a Sintaxe me levou ao Game Over.

Me formei tardiamente, agora seria hora de descansar e desfrutar dos bônus conquistados, ou poderia sair e procurar emprego e me tornar uma pessoa com quase trinta anos e que não depende dos pais. Eu saí e fui procurar emprego. Talvez possa comparar o emprego como a "fase do labirinto" vários lados para percorrer, um único final e várias armadilhas.

Certa vez me surgiu uma oportunidade interessante. Contei os dias para a tal entrevista. Fiquei lindo, um Deus entre os mortais, saí para me aventurar. A imensa sala de espera mais parecia um cenário de jogo RPG, tinha gigantes musculosos, fadinhas fofas, bruxas estranhas e eu... Um duende cômico. Vi as pessoas saindo, estava tão nervoso que comecei ouvir um batucar e descobri que nada mais eram que meus pés, as mãos estavam suadas. Tensão. Era a minha vez. Não passei, mas também não entrei em crise, não estava preparado para aquele tipo de aventura.

Ainda me encontro nesse labirinto e sem saber para que lado seguir, não existem detonados para a nossa vida, e como tolo libriano que sou tenho problemas com escolhas. Até lá continuarei seguindo por todos os caminhos que se mostrarem disponíveis e desejando não encontrar nenhum Minotauro no fim da aventura.

INSERT COINS TO CONTINUE...


Por favor, assistam isso:

Um comentário:

  1. A vida é um jogo do qual não sairemos vivos.

    ResponderExcluir